Ano A – XXIII Domingo do Tempo Comum

1ª Leitura: Ez 33, 7-9
Salmo: Sl 94, 1-2. 6-7. 8-9
2ª Leitura: Rom 13, 8-10
Evangelho: Mt 18, 15-20

 

Depois de ter lido e reflectido a liturgia da Palavra deste domingo, veio-me à mente o diálogo que o livro dos Génesis nos transmite entre Deus e Caim depois de este ter cometido o fratricídio: “O Senhor disse a Caim: «Onde está o teu irmão Abel?» Caim respondeu: «Não sei dele. Sou, porventura, guarda do meu irmão?»“ (Gn 4, 9). A resposta de Caim resume muito bem a atitude que muitos de nós adoptamos ante a vida dos irmãos. Na verdade, não nos sentimos responsáveis pela vida dos nossos irmãos. No entanto, a liturgia da palavra deste domingo deixa bem claro a nossa responsabilidade face aos irmãos. Não podemos ficar indiferentes diante do irmão.

Tal responsabilidade pela vida e pela felicidade dos irmãos nasce do mandamento do amor ao próximo, mandamento que resume toda a lei e do qual o apóstolo Paulo nos fala na segunda leitura deste dia.O texto paulino que proclamamos este domingo pertence à segunda parte da carta aos romanos. Depois de Paulo, na primeira parte desta carta, ter reflectido sobre o desígnio de salvação de Deus para todos os povos, na segunda parte sua carta, reflecte nos efeitos práticos que a nossa adesão a Cristo e o nosso baptismo comportam.

Aqueles que acreditam em Jesus devem viver uma vida baseada no amor. Como nos diz o apóstolo Paulo: “a caridade é o pleno cumprimento da lei”. Na verdade, no amor a Deus e ao próximo resumem-se todos os mandamentos do cristianismo. Os outros mandamentos outra coisa não são do que especificações e formas concretas de viver o nosso amor a Deus e aos irmãos. Amar uma pessoa não se limita a dizer belas palavras. Amar exige actos concretos de entrega, respeito e ajuda. A moral cristã e a moral do amor que se dá, que respeita, que cuida e protege.

E amar deste forma e a 100 por cento nunca se consegue totalmente. É por isto que o apóstolo Paulo nos exorta: “Não devais a ninguém coisa alguma, a não ser o amor de uns para com os outros”. Nunca amamos o suficiente, estamos sempre chamados a amar mais e mais. A nossa medida de comparação no amor é o Senhor Jesus. Foi Ele que nos disse: “Amai-vos uns aos outros como eu vos amei”. E tão longe estamos deste amor de Cristo por cada um de nós: um amor que se dá, um amor solidário, um amor compassivo, um amor que sabe perdoar. Quem diz que já amou o suficiente é porque nunca começou a amar.

Uma das formas concretas de amar o próximo é a atenção e o cuidado que devemos ter pela vida dos nossos irmãos. Uma atenção que não é coscuvilhice mas preocupação e cuidado e que por isso quer ajuda-lo a encontrar caminhos de vida e de felicidade. Desta atenção pela vida dos irmãos nos fala a primeira leitura e o evangelho deste domingo.

Na primeira leitura retirada da profecia de Ezequiel, a missão profética é comparada com a missão da sentinela. São vários os profetas que recorrem à imagem da sentinela para se referirem à missão profética. A sentinela desempenhava um papel importante na defesa da cidade. Na verdade, enquanto todos dormiam ela estava em vigília no posto de vigia para descobrir todas a possíveis ameaças à segurança da cidade. Além disto, quando pressentia o perigo, ela tinha a missão de dar o alarme para que a cidade pudesse preparar a sua defesa.

Depois da descrição da missão da sentinela vemos que existem muitas pontes entre a missão da sentinela e a missão do profeta. O profeta é uma sentinela que Deus coloca na cidade humana. Ele deve ser um homem atento: atento à palavra de Deus e atento aos sinais dos tempos. O profeta é o homem da dupla fidelidade: a fidelidade a Deus e à fidelidade aos homens. O profeta porque lê e medita a palavra de Deus e porque lê o jornal diário apercebe-se que não poucas vezes os caminhos dos homens são bem diferentes dos caminhos e da vontade de Deus. Ante tal constatação, o profeta não pode ficar indiferente, não pode seguir tranquilamente a sua vida como se não tivesse nenhuma responsabilidade pela vida e pela felicidade dos seus irmãos. O profeta atento à palavra de Deus e às vicissitudes da história humana deve denunciar todos os caminhos errados do homem e deve anunciar a vontade de Deus. Tal missão pode causar sofrimentos. No entanto, o profeta não pode demitir-se da sua missão porque o amor ao irmão exige que se lhe diga que os caminhos que está a percorrer não são caminhos de vida e de felicidade mas de pecado.

Da exigência e da forma a levar a cabo a correcção fraterna fala-nos o evangelho deste domingo. O texto do evangelho de Mateus que é proclamado este domingo insere-se no chamado discurso eclesial. Este discurso é uma catequese sobre a vida da comunidade cristã. Como qualquer outra comunidade também a comunidade a que se dirige o evangelho de Mateus não era uma comunidade perfeita e tinha alguns problemas. Assim sendo, através do discurso eclesial Mateus aborda temas tão importantes como a humildade, a simplicidade, o perdão, a correcção fraterna, entre outros.

O trecho evangélico que hoje é proposto aborda a maneira de nos relacionarmos com os irmãos que erraram. Ante a constatação de um erro de um membro da comunidade como se devem comportar os cristãos? Devem colocar de parte o pecador ou devem ir ter com ele e tentar que ele volte ao bom caminho?

No nosso dia-a-dia, as atitudes que temos com os irmãos que erraram muitas vezes são pouco evangélicas e cristãs. Na verdade, quase por tendência natural, quando descobrimos que alguém errou começamos a criticar essa pessoa por trás e de certa forma até a descriminamos. No entanto, esta não é a atitude de Jesus para com aqueles que erraram, essa não é a atitude que a comunidade cristã deve adoptar diante do irmão pecador. Jesus convida-nos à correcção fraterna e não à crítica fácil e severa e à marginalização.

No evangelho de hoje, Jesus oferece-nos um caminho com várias etapas que procura a conversão daquele que errou. Ante o erro de um irmão, a primeira coisa que se deve fazer é ir falar com ele a sós. Com muita caridade devemos dirigir-nos ao irmão e mostrar-lhe o seu erro. Quantos erros poderiam ser corrigidos se tivéssemos a caridade e a coragem de os identificar aos nossos irmãos. Na verdade, pode acontecer que muitas vezes uma pessoa esteja a errar e não se dê conta. É mais difícil mas é mais proveitoso o diálogo sobre o erro com o irmão que erra do que andar a criticar por trás esse erro. Quando um irmão erra a nossa primeira atitude deve ser falar com o irmão sobre o seu erro e não falar mal do irmão.

No entanto, Jesus também reconhece que o irmão que erra pode persistir no erro depois do diálogo a sós. Nestes casos, Jesus aconselha outra estratégia que é o recurso a outros irmãos. Pode acontecer que sendo vários a dizerem-lhe o mesmo ele se arrependa e converta do seu erro.

Contudo, pode acontecer que mesmo assim aquele que errou persista no seu erro e não se arrependa. Neste caso, Jesus aconselha a levar o caso à comunidade cristã. A comunidade deve falar com o irmão que erra, mostrar-lhe o seu erro e confronta-lo com o compromisso que fez com Cristo tentando que ele se converta. Se mesmo assim o irmão que errou não se arrepender e não se converter Jesus diz-nos para tratar esse irmão como um pagão ou um publicano. Para o judaísmo os pagãos e os publicanos eram aqueles que estavam em situação de erro e obstinando-se nos seus erros recusavam qualquer oportunidade de fazer parte da comunidade. Ao persistir no seu erro, o irmão pecador coloca-se à margem da comunidade. Ante o facto de o irmão pecador de uma forma consciente e obstinada manter-se no seu erro que o colocam à margem da comunidade a Igreja é chamada a tomar uma posição.

No entanto, não é por isso que a comunidade o deve abandonar à sua sorte e não se preocupar com ele. Na verdade, não nos podemos esquecer da atenção e do amor misericordioso que Jesus tinha para com os publicanos e pecadores.

Que a celebração deste domingo aumente em nós o amor ao próximo, um amor que se preocupa com a vida do outro e que vai ao encontro dele para o ajudar. Que a celebração deste domingo nos ajude a perceber a importância da correcção fraterna.

P. Nuno Ventura Martins

missionário passionista

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on print
Print
Share on email
Email

Leave a Comment