Ano B – Solenidade do Nascimento de S. João Baptista

1ª Leitura: Is 49, 1-6;
Salmo: Sl 138, 1-3. 13-14ab. 14c-15;
2ª Leitura: Act 13, 22-26;
Evangelho: Lc 1, 57-66. 80.

 

Celebramos hoje a solenidade do nascimento de São João Baptista que anunciou e preparou a vinda do Senhor e o mostrou já presente no meio dos homens. Só de três personagens é que a liturgia celebra o seu nascimento: o Senhor Jesus (25 de Dezembro), a Virgem Maria (8 de Setembro) e São João Baptista (24 de Junho). O facto de celebrarmos o nascimento de São João Baptista deixa bem claro a importância que o Percursor do Senhor tem na história da salvação. 

Não podemos negar a importância de João Baptista na história da salvação. O próprio Senhor Jesus fez dele o seguinte elogio: “Entre os nascidos de mulher, não apareceu ninguém maior do que João Baptista”(Mt 11, 11). No entanto, a celebração do nascimento de João Baptista, a afirmação de que João foi escolhido desde o ventre materno, como a personagem do Servo de Yahwéh de que nos fala a primeira leitura de hoje, deixa bem claro que a missão de João Baptista tem origem na escolha livre e gratuita de Deus e não nos méritos do homem. Deus escolheu João Baptista para ser o percursor do Senhor, antes de Ele nascer e não depois de ele ter mostrado quer era digno ou que tinha capacidades para assumir tal tarefa. Assim sendo, a solenidade deste dia convida-nos a meditar na vocação, no papel de João Baptista na história da salvação. 

O evangelista Lucas, no evangelho de hoje, narra-nos o nascimento e a circuncisão de João. Escrevendo para uma comunidade que conhecia os discípulos de João Baptista, o evangelista Lucas deixa bem claro a superioridade de Jesus em relação a João Baptista. No entanto, também não deixa de afirmar o importante papel importante que João desempenha na história da salvação. No seu evangelho da infância, ou seja, nos dois primeiros capítulos do seu evangelho, Lucas mostra o paralelismo que existe entre o anúncio do nascimento e o próprio nascimento de Jesus e de João Baptista. Ao apresentar este paralelismo, Lucas mostra a relação que existe entre Jesus e João e mostra o papel subordinado de João à Jesus. 

Segundo o evangelista Lucas, o nascimento de João Baptista provocou alegria entre os vizinhos e parentes de Isabel e Zacarias, deste casal estéril e de idade avançada: “Os seus vizinhos e parentes souberam que o Senhor lhe tinha feito tão grande benefício e congratularam-se com ela”. Para o evangelista Lucas, a alegria é um sinal de que a salvação, os tempos novos da misericórdia e do cumprimento das promessas de Deus já chegaram. A alegria é uma das reacções que em nós provoca a salvação. Assim sendo, o evangelista Lucas ao dizer-nos que o nascimento de João Baptista provocou alegria está a dizer-nos que com o seu nascimento as promessas de salvação de Deus começam a cumprir-se. Na verdade, não é João o Salvador prometido por Deus. O salvador prometido é Jesus. No entanto, João é o percursor de Jesus, é aquele que, como Zacarias canta no seu cântico de louvor após o nascimento do seu Filho, é “o profeta do altíssimo porque irá à sua frente a preparar os seus caminhos, para dar a conhecer ao seu povo a salvação pela remissão dos seus pecados” (Lc 1, 76-77).

Além da alegria, o evangelista Lucas também afirma que o nascimento de João provocou espanto e temor. Também estas são reacções próprias de quem entra em contacto com a salvação e a presença de Deus. Na verdade, o espanto é a reacção das multidões diante dos milagres de Jesus e das manifestações divinas. Por sua vez, o temor de que se fala é o temor sagrado, é a reacção óbvia diante da manifestação do mistério de Deus. Assim sendo, Lucas ao dizer-nos que o nascimento de João Baptista provocou alegria, espanto e temor está-nos a dizer que no seu nascimento a revelação e a salvação de Deus estão a concretizar-se. 

Depois de ter narrado a alegria que o nascimento de João Baptista provocou, o evangelista Lucas centra-se na circuncisão de João que ocorreu oito dias depois do seu nascimento. O episódio da circuncisão é importante porque é aqui que se dá o nome de João ao filho primogénito de Zacarias e de Isabel. O nome, na mentalidade bíblica, é algo importante porque determina e indica a dignidade de quem o tem e recorda o seu parentesco. Assim sendo, para os parentes e vizinhos era óbvio que o menino que nascera devia chamar-se Zacarias, como o seu pai. No entanto, Zacarias e Isabel, que sabiam que este filho que lhes nascera era um dom de Deus, dizem que o nome da criança, conforme o anjo indicará a Zacarias, será João. João quer dizer: Yahwéh é graça e bondade e é exactamente isto que João Baptista ao ser o percursor de Jesus anuncia. 

Depois de ter confirmado que o nome da criança seria João, Zacarias recupera a fala e começa a louvar a Deus. Aquele que tinha ficado mudo por não ter acreditado na promessa de Deus anunciada pelo anjo quando a promessa foi cumprida recupera a fala para louvar e profetizar.

Ao terminar o evangelho deste domingo, Lucas refere-nos que: “a mão do Senhor estava com ele. O menino ia crescendo e o seu espírito fortalecia-se. E foi habitar no deserto até ao dia em que se manifestou a Israel.” Nenhuma destas indicações de Lucas são supérfluas. Na verdade, ao usar a expressão do Antigo Testamento segundo a qual a mão do Senhor estava com João, Lucas afirma que João tem a protecção de Deus e que Deus actua nele. Em seguida, o crescimento de João é apresentado com a mesma expressão que é usada para resumir a infância de personagens importantes da história de Israel e do próprio Jesus. Por fim, a referência da ida de João para o deserto também é importante porque, na bíblia, o deserto é o lugar onde o povo faz a experiência do encontro e da aliança com Deus. 

As circunstâncias especiais que envolveram o nascimento de João levaram todos os que ouviam contar tal facto a guardarem estes acontecimentos no seu coração e a perguntarem-se: “Quem virá a ser este menino?”. A segunda leitura deste dia, retirada dos Actos dos Apóstolos, responde-nos a esta questão. O Apóstolo Paulo, no discurso que pronunciou na sinagoga de Antioquia de Pisídia, ao expor como toda a história da salvação converge e culmina em Jesus faz uma referência a João Baptista. Segundo o Apóstolo Paulo, João Baptista é aquele que preparou a vinda do Senhor convidando o povo à conversão através de um baptismo de penitência e que anunciou a sua vinda. João não é auto-referencial. Ele é um instrumento de Deus que anuncia a vinda do Messias. Na verdade, João afirmava: “Eu não sou quem julgais, mas depois de mim, vai chegar Alguém, a quem eu não sou digno de desatar as sandálias dos seus pés”. A missão de João é preparar a vinda e o acolhimento do Salvador enviado por Deus, Jesus de Nazaré. É aqui que reside a grandeza de João Baptista. 

A celebração desta solenidade do Nascimento de São João Baptista não nos pode deixar indiferentes. Na verdade, a celebração de um santo é algo que “entusiasma a buscar a cidade futura (cfr. Hebr. 14,14; 11,10) e, ao mesmo tempo, nos ensina um caminho seguro, pelo qual, por entre as efémeras realidades deste mundo e segundo o estado e condição próprios de cada um, podemos chegar à união perfeita com Cristo, na qual consiste a santidade” (LG 50). 

Assim sendo, a celebração da Solenidade do Nascimento de São Baptista pede-nos que vivamos a nossa vida como uma vocação de Deus. Também a nós, como a João Baptista, Deus escolheu-nos desde o seio materno. A nossa primeira e fundamental vocação é a vocação baptismal, a vocação à santidade, à felicidade verdadeira. Por outro lado, a presente solenidade também nos estimula a sermos precursores, anunciadores da vinda Senhor. Há tantos irmãos nossos que ainda ignoram a vinda de Jesus, o único que nos pode trazer a salvação e a felicidade plena. Não teremos nós culpa nesta triste ignorância? Somos capazes de anunciar com coragem e audácia a salvação que Cristo nos traz preparando assim caminhos de encontro entre Cristo e os nossos contemporâneos? Somos capazes de testemunhar a presença de Cristo no meio do nosso mundo? Que estamos nós a fazer da nossa vida?

Que São João Baptista interceda por todos nós para que saibamos preparar sempre os caminhos do Senhor que vem.

P. Nuno Ventura Martins

missionário passionista

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *