Ano C – Vigília Pascal na Noite Santa

Evangelho: Lc 24, 1-12.

 

Reunimo-nos de noite para celebrar a vigília pascal, a mãe de todas as vigílias, onde celebramos a ressurreição gloriosa e luminosa de Jesus. Na verdade, é na noite que nos encontramos. Encontramo-nos na noite da aparência da vitória do mal. Parece que os inimigos de Jesus conseguiram vencer. Jesus foi crucificado, morreu e foi sepultado. A pedra que foi rolada à entrada do sepulcro de Jesus parece que é o ponto final que se coloca na história de Jesus. Vive-se o silêncio de sábado santo, aquele silêncio que celebra a vitória da morte sobre a vida, da impiedade sobre a rectidão, do ódio sobre o amor, do sofrimento sobre a alegria. Até as mulheres que sempre seguiram Jesus se rendem a este silêncio e tem a intenção de ir visitar o sepulcro de Jesus, aquele lugar que representa a falência humana do Reino de Deus anunciado por Jesus. As mulheres que se dirigem até ao sepulcro vão num cortejo fúnebre. Os perfumes que levam é para embalsamar o corpo de Jesus. Para elas a morte é aquela pedra grande de mais que nada nem ninguém pode remover. Certamente, não se recordavam ou tornava-se difícil para elas, como também o é hoje para nós, aceitar e compreender a misteriosa sabedoria do grão de trigo: “se o grão de trigo, lançado à terra, não morrer, fica ele só; mas, se morrer, dá muito fruto” (Jo 12, 24). E é no meio da sua dor, da sua não esperança que se dirigem ao sepulcro.

Também nós vivemos envolvidos nas trevas e na tristeza que parecem apagar qualquer raio de esperança que queira surgir. Estamos cansados e desanimados pelo aparente domínio da morte, pelo aparente domínio, sem escrúpulos e sem piedade, dos mais fracos pelos mais fortes. Desanimados e sem esperança acreditamos que não vale a pena lutar por um mundo novo, pelo reino de Deus, porque Aquele que o veio anunciar e instaurar, Jesus de Nazaré, foi morto, crucificado e sepultado. No entanto, há algo que nos move, como moveu as mulheres do evangelho, até ao túmulo de Jesus. E é no túmulo, exactamente no lugar que representa o carácter definitivo da morte, da morte humana mas também da morte de tantos projectos, de tantos sonhos, de tantos ideais, que acontece algo inesperado.

Lucas, o evangelista deste ano litúrgico, diz-nos que é ao romper da manhã do primeiro dia da semana que as mulheres se dirigem ao sepulcro. O primeiro dia e o nascer do novo dia evocam algo novo, indicam o surgimento de uma nova criação. Na verdade, com a ressurreição do Senhor é a nova criação que começa. O cortejo de morte das mulheres que se dirigem ao sepulcro vai-se transformar num cortejo de vida. E essa transformação ocorre quando as mulheres vêem a pedra do túmulo removida, entram no sepulcro e encontram-no vazio e escutam a interpretação dos factos acontecidos pelos anjos: “Porque bucais entre os mortos aquele que está vivo? Não está aqui: ressuscitou.” Deus venceu a morte, Deus tirou a grande pedra que estava a entrada do sepulcro, Cristo Ressuscitou. Ao verem os anjos as mulheres sentem medo. É o temor sagrado de quem entra em contacto com algo que as transcende. Mas estas mulheres medrosas, depois de terem ouvido as palavras do anjo e de se terem recordado das palavras de Jesus, partem do sepulcro para contar aos onze e a todos os outros, o que viram e ouviram. Ao ouvirem a história das mulheres não são poucos os que dizem que se trata de um desvario das mulheres mas não é por isso que se calam. Na verdade, é o seu anuncio que possibilita que outros se ponham a caminho para se encontrarem com o Ressuscitado.

O encontro com ressurreição do Senhor transforma-nos e devolve-nos a esperança. Na verdade, a ressurreição de Jesus é a prova de que a vida é mais forte que a morte, que o amor é mais forte que o ódio, que a ternura é mais forte que a violência, que a esperança dissipa todo o desespero.

Também nós nos encontramos muitas vezes no meio de inúmeros túmulos que parecem mostrar o domínio da morte sobre a vida, da injustiça sobre a justiça, do ódio sobre o amor. No entanto, diante da palavra inaudita da Ressurreição de Jesus ganham novo sentido as derrotas e as lágrimas de todos aqueles que são espezinhados pelo poder da morte. Deus intervém e inverte todas as situações de morte provocadas pela malvadez humana. A vida de Jesus e a vida de todos nós é importante de mais para Deus para serem abandonadas ao poder da morte, da injustiça, da calúnia, do ódio e da mentira. Em todas estas situações de trevas, desponta a luz radiante do círio pascal, sinal de Cristo ressuscitado, que contagiando a sua luz vai iluminado e dissipando as trevas. No silêncio aterrador da aparência da vitória da morte soa a suave, encantadora e esperançosa melodia da ressurreição que nos convida a alegria e nos devolve a esperança. E é neste clima que podemos ler as intensas, não só pelo número mas pelo que contam, páginas da Escritura que são proclamadas nesta noite santa: a criação, o sacrifício de Abraão, a saído do Egipto, a libertação da babilónia, as condições do regresso do exílio, a causa do exílio, o coração novo, a existência baptismal e a ressurreição de Jesus. A liturgia da Palavra deste dia convida-nos a recordar a história da salvação e a viver a nossa história como uma história salvífica. Na verdade, ao longo de toda a história da salvação e ao longo da nossa história pessoal Deus sempre nos acompanha.

E depois de termos percorrido as páginas da escritura podemos renovar a nossa identidade baptismal. Na verdade, é pelo baptismo que acontece Páscoa na nossa vida. Outra graça não recebemos no baptismo senão a graça pascal. E é por isto que nesta noite somos convidados a renovar as nossas promessas baptismais e é aspergida sobre nós a água baptismal. No entanto, e para nos advertir do que comporta ser baptizado no mistério Pascal de Cristo, o apóstolo Paulo exorta-nos: “Fomos sepultados com Ele pelo Baptismo na sua morte, para que, assim como Cristo ressuscitou dos mortos pela glória do Pai, também nós vivamos uma vida nova.” Pelo baptismo o cristão participa da morte e ressurreição de Jesus. Pelo baptismo, o cristão rompe com o sistema pecaminoso gerador de morte e ressuscita para uma vida nova. Ser baptizado é viver a vida nova que nasce da Páscoa, aquela vida que sabe que a vida é mais forte que a morte e que o amor vence todos os ódios.

Pelo baptismo e pela participação na eucaristia, memorial da Páscoa do Senhor, encontramo-nos com o Senhor ressuscitado e também a nós é confiada a mesma missão das mulheres do evangelho: ser testemunhas da ressurreição! Quem se encontra com o Senhor Ressuscitado vê toda a sua vida transformada e por isso sente-se na necessidade de fazer visitas pascais, ou seja, sente-se na necessidade de levar aos outros que ainda habitam na região da morte a notícia da ressurreição que vence a morte que nos habita e nos arranca dos sepulcros em que nos encontramos. “Somos nós Senhor, somos nós, a prova de que tu ressuscitaste.” Quem experimentou a força da Páscoa na sua vida sente-se na necessidade de anunciar aos outros tão feliz e fundamental notícia para que a Páscoa do Senhor seja realidade neste nosso mundo. O encontro com o Ressuscitado transforma a nossa vida e torna-nos aptos para o anúncio. Não podemos guardar só para nós a alegre notícia da ressurreição. Somos impelidos a correr pelos tortuosos caminhos deste mundo espalhando o suave aroma da ressurreição, devolvendo a esperança aos sem-esperança porque Cristo ressuscitou, a morte foi vencida. Todavia este alegre anúncio não se faz só com argumentos racionais. Faz-se contando, relatando a experiência fundante de encontro com o Ressuscitado. Uma narração sem pressas, porque essa história é a história da nossa vida e é uma história geradora de vida.

Que todos ao participarmos na Vigília Pascal de Sábado de Santo dissipemos as trevas nossa existência com o lume novo que é Cristo ressuscitado, cantemos a alegre melodia da ressurreição, recordemos a nossa história como uma história salvífica, reafirmemos a nossa identidade e (re)nasçamos nas aguas baptismais, celebremos o banquete do cordeiro imolado e anunciemos a feliz notícia da ressurreição, relatando a nossa experiência de encontro com o Ressuscitado e criando laços de uma comunidade de homens novos, de homens ressuscitados, porque ainda são tantos os sepulcros onde reina a morte e que esperam ansiosamente a Páscoa de Cristo, aquela Páscoa que  permite a Páscoa do Mundo!

Aleluia! Cristo Ressuscitou! Votos de uma Santa Páscoa!

P. Nuno Ventura Martins

missionário passionista

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on print
Print
Share on email
Email

Leave a Comment