Ano B – VII Domingo do Tempo Comum

1ª Leitura: Is 43, 18-19. 21-22. 24b-25;
Salmo: Sl 40, 2-3. 4-5. 13-14;
2ª Leitura: 2 Cor 1, 18-22;
Evangelho: Mc 2, 1-12.


Convida-nos o profeta Isaías, neste Domingo, a olharmos para a nossa realidade concreta e aí descobrirmos o que Deus nos prepara; como Deus, ainda nos dias de hoje, continua a cuidar de nós: “Eu vou realizar uma coisa nova, que já começa a aparecer; não o vedes?” Convida-nos o Senhor a descobrirmos, no meio de todos os problemas, dificuldades e vicissitudes que nos assaltam, a sua presença confortante e salvadora. Na verdade, assim é Deus: um Deus que sempre oferece a salvação ao Homem.

A primeira leitura deste Domingo, retirada da segunda parte do livro de Isaías, comummente designada de Deutero-Isaías, situa-nos numa época bastante complicada na história do Povo de Deus. Estamos na época do exílio da Babilónia. O povo vive no desespero e na frustração. Apesar de sonharem com a libertação está tarda. Parece que Deus se esqueceu do povo exilado e sofredor na Babilónia. No entanto, é a este Povo que Deus envia o seu profeta com uma mensagem de consolo e de esperança: o fim do exilio, a libertação está iminente e o regresso do povo exilado à terra da promessa é apresentado como um novo êxodo.

O texto de Isaías que escutamos neste domingo é composto por alguns versículos de dois oráculos diferentes do Deutero-Isaías. A primeira parte do texto pertence a um oraculo de salvação. Por sua vez, a segunda parte da nossa leitura, pertence a um dos poucos oráculos do Deutero-Isaías em que Deus se apresenta com uma atitude crítica para com o seu povo, na medida em que acusa o povo de indiferença e infidelidade e deixa entrever a necessidade da conversão.

Na primeira parte da leitura de Isaías, o profeta convida o seu povo a não pensar que só no passado é que aconteceram maravilhas. Convida o povo a não ficar preso no passado e a contemplar o presente para aí descobrir como Deus já está a actuar para salvar o seu povo.

Na verdade, todos nós corremos um sério risco de saudosismo. Quantos de nós não deixamos sair de nossos lábios expressões do tipo: “Naquele tempo é que era! Hoje já não há nada disso!”. Tal saudosismo é prejudicial. Na verdade, a recordação do passado, das maravilhas passadas só é importante na medida em que alimenta a nossa esperança e abre-nos a um novo futuro. No entanto, o saudosismo, uma excessiva sobrevalorização do passado pode impedir-nos de reconhecer a acção libertadora e salvadora de Deus no nosso presente concreto.

O profeta anuncia ao povo que o mesmo Deus que libertou o povo do Egipto também os libertará do exílio da Babilonia. Na verdade, o amor e a solicitude de Deus pelo seu povo não mudaram. Deus continua a interessar-se pelo seu povo e a querer dar-lhe a salvação. E tal salvação e actuação de Deus na história outra coisa não deve provocar senão o louvor e a acção de graças.

Por sua vez, a segunda parte desta leitura, como já o referimos, faz parte de um oráculo onde Deus, através de uma atitude crítica para com o seu povo, convida-o a conversão. O profeta sugere ao povo que o exilio não é culpa de Deus mas do povo que apesar de ser fiel às obrigações cultuais multiplicava os seus pecados e iniquidades. Assim sendo, o profeta sugere que é necessário que o povo se converta para acolher a salvação que já começa a despertar.

O profeta Isaías, na sua leitura, convida-nos a tomarmos consciência que Deus não abandona o seu povo e que ainda hoje continua a realizar a sua obra de salvação. No entanto, é necessário que o homem percorra um caminho de conversão e de renovação para acolher a salvação que Deus oferece.

Estas realidades estão bem presentes no evangelho deste domingo. Na verdade, Deus, na pessoa de Jesus, continua no mundo a operar a salvação, a perdoar os pecados. No entanto, não devemos ser insensíveis diante desta acção de Deus. O homem é chamado a acolher esta proposta de salvação e ir ao seu encontro.

Diz-nos o texto que a cena evangélica de hoje se passa numa casa em Cafarnaum. Jesus regressou a Cafarnaum e quando as pessoas souberam que Ele aí estava acorreram à sua presença. Assim, é Jesus: é capaz de nos atrair, de nos congregar à sua volta. No entanto, nesta cena também aparece pela primeira vez uma realidade que será uma constante na vida de Jesus: a incompreensão dos escribas diante da pessoa de Jesus. O Senhor Jesus que anuncia o Reino com as suas palavras e gestos provoca admiração e congrega pessoas à sua volta mas também cria rejeição. O conflito que levará Jesus à morte de cruz começa a desenhar-se. Por um lado, o povo acolhe Jesus e a sua mensagem. Por outro lado, os fariseus e os doutores da lei rejeitam-no.

Enquanto Jesus pregava a Palavra naquela casa de Cafarnaum, um paralítico, transportado por quatro homens, procurava aproximar-se de Jesus. Não conseguindo os seus intentos, devido à multidão, os quatro homens não desistiram mas, destapando o tecto, desceram o catre em que estava o paralítico. Prestemos atenção a alguns dados deste relato que nos oferece uma boa lição de catequese.

O primeiro dado que nos chama à atenção é a casa. Não se diz que casa é esta. Só se diz que aí se congregou um grande número de pessoas para ouvirem Jesus e que também aí estavam alguns escribas, especialistas da lei. Esta casa pode ser uma figura da sinagoga, da comunidade judaica a quem Jesus dirige a pregação do Reino. Diz-nos o texto que são as pessoas que estão nesta casa que, de certa maneira, impedem o paralítico e os quatro homens que o transportam de se aproximarem de Jesus.

Também este paralítico na enxerga e os quatro homens que o transportam são um dado interessante. Eles formam uma unidade e ao serem quatro (numero dos pontos cardeais carregado de simbolismo) representam a humanidade. O paralítico e os quatro homens que o transportam representam a humanidade que por um lado se vê paralisada pelo mal e que por outro, não se conformando com o mal, procura a salvação. Assim sendo, o texto evangélico de hoje mostra-nos que Jesus é o salvador enviado por Deus a toda a humanidade.

O paralítico e os quatro homens que o transportam também nos chamam a atenção para outra realidade. Por um lado, a sua insistência diz-nos que não devemos desistir ante os primeiros obstáculos. Temos de ser insistentes e não podemos desanimar ante as primeiras dificuldades. Jesus louvou a fé destes homens persistentes. Não basta querer, é preciso fazer algo.

Por outro lado, o facto de o paralítico ser transportado por quatro homens também nos chama a atenção para a necessidade que temos de conduzir os nossos irmãos até Jesus. Pode acontecer, que eles estejam de tal maneira paralisados pelo mal que não consigam chegar até Jesus sozinhos e necessitem da nossa ajuda. Devemos estender a mão a todos e ajuda-los a encontrarem-se com Jesus.

Estando o paralítico diante de Jesus e tendo visto a fé daquela gente, Jesus declara: “Filho, os teus pecados estão perdoados”. Tal afirmação mostra que Deus oferece o seu perdão a todos aqueles que se propõe mudar de vida e aderir aos valores do reino. No entanto, tal afirmação não deixa de criar confusão aos escribas, porque, segundo eles, só Deus podia perdoar os pecados. No entanto, Jesus é o Filho de Deus e para dar isto a conhecer aos escribas ordena ao paralítico: “levanta-te, toma a tua enxerga e vai para casa”. E é assim que o paralítico, reconciliado com Deus e libertado da escravidão que o sujeitava, sai por entre a multidão. Tudo isto provocou o louvor da multidão.

Que a celebração deste domingo nos ajude a ver todos os gestos de salvação que Deus nos concede ainda hoje e nos leve a viver um caminho de conversão que nos ajude a acolher a salvação oferecida por Deus.

P. Nuno Ventura Martins

missionário passionista

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on print
Print
Share on email
Email

Leave a Comment