Ano B – XXX Domingo do Tempo Comum

1ª Leitura: Jer 31, 7-9;
Salmo: Sl 125, 1-2ab. 2cd-3. 4-5. 6;
2ª Leitura: Hebr 5, 1-6;
Evangelho: Mc 10, 46-52.


Num mundo marcado por tantos sofrimentos e tristeza, não são poucos aqueles que dizem que Deus se esqueceu de nós ou nos abandonou. No entanto, a liturgia da Palavra deste XXX Domingo do Tempo Comum assegura-nos que isto não é verdade. Mesmo nos momentos mais conturbados e complicados da história, Deus está connosco e caminha connosco oferecendo-nos sempre caminhos de salvação, caminhos de vida plena e realizada. 

Jeremias, na primeira leitura deste dia, assegura-nos que Deus é “um Pai para Israel”, pai esse que se empenha em salvar o seu povo, em fazer que o seu povo regresse, no meio de consolações, à sua terra. Deus quer conduzir o seu povo às aguas correntes. E toda esta acção libertadora de Deus deve conduzir o povo à alegria e o louvor. Na verdade, é um novo êxodo que se promete e realiza. Deus sempre preocupado com a vida e a felicidade do seu povo oferece a libertação e a salvação ao seu povo. 

O profeta ao descrever a salvação que Deus vai conceder ao seu povo refere-se a quatro figuras: o cego, o coxo, a mulher que vai ser mãe e a mulher que já deu à luz. A imagem do cego e do coxo evocam uma situação de debilidade, mas ao dizer que também a esses Deus reunirá e conduzirá à terra está a dizer-nos que Deus é capaz de libertar o povo de todas as debilidades. Por sua vez, as imagens das mulheres, uma que está para ser mãe e outra que já deu à luz, são símbolo do futuro novo que Deus quer conceder ao seu povo. Poderão ter de passar por momentos de dor, como a mulher ao dar à luz, mas depois desse sofrimento passageiro o que tem lugar é a vida, a felicidade e a esperança. Toda está leitura deixa bem clara a solicitude e a preocupação de Deus pelo seu povo, especialmente, nos momentos em que o povo mais necessitado está da salvação e da ajuda de Deus. 

Na plenitude dos tempos, esta solicitude e cuidado de Deus pelo seu povo ganhou um rosto muito concreto: Jesus de Nazaré. Na verdade, como nos recorda a segunda leitura deste dia da epístola aos hebreus, Cristo é o sumo-sacerdote, fiel e misericordioso, que Deus enviou ao mundo para restabelecer a comunhão perfeita entre Deus e os homens. 

No Antigo Testamento, a figura do sumo-sacerdote era muito importante. Na verdade, o sumo-sacerdote era considerado o intermediário principal das relações entre Deus e os homens. Através da aspersão do sangue no propiciatório, no dia da Expiação, o sumo-sacerdote alcançava o perdão de Deus para todo o povo. Assim sendo, a figura do sumo-sacerdote aparece como alguém que é escolhido por Deus, tomado entre os seus irmãos e constituído mediador entre Deus e os homens. O sumo-sacerdote é alguém que apresenta a Deus o arrependimento dos homens e traz de Deus até aos homens o seu perdão. 

O autor da carta aos hebreus diz-nos que o sumo-sacerdote por excelência é Cristo. Na verdade, pelo facto de ser Filho de Deus, a sua acção sacerdotal tem uma dignidade e qualidade mais elevada, uma vez que como Filho de Deus está sempre em comunhão com Deus Pai.

Por outro lado, pela sua encarnação, Jesus também é verdadeiramente homem e por isso conhece bem a debilidade, a fraqueza e a fragilidade própria dos humanos e por isso pode compadecer-se dos homens. 

Assim sendo, pelo facto de ser verdadeiro Deus e verdadeiro homem, Jesus é o sumo-sacerdote por excelência. A sua humanidade permite que ele seja compreensivo com os homens e a sua divindade permite que ele esteja sempre em comunhão com o Pai. 

É Jesus o sumo-sacerdote por excelência, aquele que melhor nos mostra a solicitude de Deus Pai por todos os seus filhos. Prova disto é o relato evangélico deste domingo que nos narra a cura do cego Bartimeu à saída de Jericó. Magnífica lição de catequese que nos quer levar até Jesus o único capaz de nos fazer a vida com outros olhos e outro entusiasmo é este relato de Marcos.

Começa o evangelho deste dia com a descrição de Bartimeu: cego, Filho de Timeu (isto significa o seu nome), sentado (porque quando Jesus o chama ele levanta-se) e a pedir esmola. Os cegos eram uma categoria de pessoas desprezadas pelos israelitas. Na verdade, segundo a mentalidade de então, as doenças eram vistas como uma consequência do pecado do homem e a cegueira, de uma forma especial, era considerada uma consequência de um pecado grave. Tal situação levava os cegos a serem excluídos da vida social e religiosa: não podiam ser testemunhas e estava-lhes vedado o acesso às cerimónias religiosas no templo. O cego deste texto aprece assim como um símbolo daqueles que a mentalidade de então considerava impuros e pecadores e a quem, segundo eles, estava vedada a salvação. 

Bartimeu estava sentado à beira do caminho a pedir esmola. O facto de estar sentado denota que o cego está numa situação de conformismo com a sua triste realidade. Sente-se incapaz de por si só sair da triste realidade em que vive e por isso pede esmola mostrando claramente a situação de dependência em que vive. 

No entanto, tudo muda com a passagem de Jesus. Ao ouvir dizer que Jesus de Nazaré passava ao seu lado ele gritou: “Jesus, Filho de David, tem piedade de Mim”. Na verdade, é sempre isto que acontece quando Jesus passa na nossa vida. Quando Jesus passa por nós sentimos a nossa vida transformada, porque ele nos desinstala de tantas escravidões e cegueiras e devolve-nos o gosto pela vida. E é assim que o cego grita: “Jesus, Filho de David, tem piedade de Mim”. Era Timeu o cego, mas foi Timeu que conseguiu ver mais além das aparências. Ele não vê com os olhos físicos Jesus de Nazaré, mas, com os olhos da fé, invoca-o como o Messias, como o Filho de David. 

No entanto, a multidão que o rodeia tenta impedir Bartimeu de se dirigir a Jesus. Ainda hoje continua esta situação. São tantas as resistências e os obstáculos que a nossa sociedade, os nossos preconceitos e os nossos medos nos colocam quando decidimos deixar a vida de antes e aderir a Cristo. No entanto, como o cego Bartimeu, ante as dificuldades que surgem, não devemos desanimar e desistir mas gritar mais alto: “Filho de David, tem piedade de Mim”. E devemos continuar a gritar porque podemos ter a certeza que os nossos gritos não são insensíveis a Deus. Ele escuta-nos e chama-nos até Ele como chamou Bartimeu. E chama-nos muitas vezes não de uma forma directa mas através de mensageiros, como chamou a Bartimeu. Mensageiros esses que não nos dizem palavras de repreensão, de censura e de desânimo mas palavras de coragem e esperança: “Coragem, levanta-te, que ele está a chamar-te”. Diz-nos o texto que tais palavras provocaram no cego uma explosão de alegria: “o cego atirou fora a capa, deu um salto e foi ter com Jesus”. O sentirmo-nos amados por Deus transforma a nossa vida. Quando sentimos que Deus se interessa por nós podemos deitar fora a nossa capa, ou seja, tudo. Ao deitar fora a sua capa, Bartimeu deixa o que tem para ir ao encontro com Jesus, corta com o passado. 

Jesus pergunta-lhe, como tinha perguntado na semana passada a Tiago e João: “Que queres que te faça?” Os dois irmãos pediram poder e gloria e não viram os seus pedidos atendidos. No entanto, o cego pede ao Senhor para ver, pede ao Senhor que passe a ver a vida a partir de outra luz, com outros olhos. E a tal pedido, feito com fé, Jesus acede e a partir desse momento o cego começou a ver, começou a ver de outra maneira porque logo que recuperou a vista “seguiu Jesus pelo caminho”. 

Quando Jesus passa pela minha vida, tudo se transforma. Quando me encontro com Jesus passo a ver a vida de outra maneira e sei que só seguindo Jesus pelo caminho da cruz é que posso chegar à ressurreição, à vida plena e feliz. Que o encontro por excelência que fazemos com o Senhor Jesus em cada eucaristia transforme as nossas vidas e abra os nossos olhos levando-nos a segui-lo pelo caminho da cruz.

P. Nuno Ventura Martins

missionário passionista

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on print
Print
Share on email
Email

Leave a Comment