Ano C – II Domingo do Tempo Comum

1ª Leitura: Is 62, 1-5;
Salmo: Sl 95 (96), 1-2a. 2b-3. 7-8a. 9-10ac;
2ª Leitura: 1 Cor 12, 4-11;
Evangelho: Jo 2, 1-11.

A liturgia da Palavra deste II Domingo do Tempo Comum oferece-nos a bela imagem do matrimónio para reflectirmos sobre a relação que Deus estabelece com o seu povo. 

A primeira leitura deste dia é retirada do livro do profeta Isaías, mais precisamente, da terceira parte deste livro, comummente designada de trito-Isaías ou terceiro Isaías. Nesta parte do livro, já estamos no pós-exílio e o povo já regressou a Jerusalém. No entanto, não são sentimentos de alegria e contentamento aqueles que invadem o coração do povo. Com efeito, a cidade ainda está em ruinas e o povo vive numa grande pobreza. Nesta situação, o povo sonha com uma nova Jerusalém e com um novo templo restaurado. Dirigindo-se a este povo desanimado, o profeta, usando a imagem do amor esponsal, anuncia a restauração de Jerusalém.

A Sagrada Escritura utiliza, como imagem privilegiada, para se referir a relação entre Deus e o seu povo a imagem do amor esponsal: Deus é o esposo que ama a sua esposa, o seu povo. Se o amor de Deus é um amor eterno e fiel para com a sua esposa o mesmo não podemos dizer do amor da esposa, do povo para com Deus. Muitas vezes, o povo responde ao amor eterno e fiel com a infidelidade. Na verdade, muitas vezes o povo abandonou o Deus verdadeiro para se entregar e seguir os ídolos. Tal situação leva a que o povo viva na infelicidade.

No entanto, apesar do povo se esquecer de Deus e de o abandonar, Deus nunca se esquece e nunca abandona o seu povo. No meio do sofrimento do povo ressoa a voz do profeta que recorda o amor de Deus, capaz de rejuvenescer o seu povo: “Não mais te chamarão ‘Abandonada’, nem à tua terra ‘Deserta’, mas hão-de chamar-te ‘Predilecta’ e à tua terra ‘Desposada’, porque serás a predilecta do Senhor e a tua terra terá um esposo. Tal como o jovem desposa uma virgem, o teu Construtor te desposará; e como a esposa é a alegria do marido, tu serás a alegria do teu Deus.”

O que o profeta anuncia não se reduz a uma mera reconciliação entre o esposo e a esposa, entre Deus e o seu povo. O que o presente texto profético anuncia é as novas núpcias entre Deus e o seu povo. Deus, apear das infidelidades, continua a amar o seu povo com um amor sempre novo e criador de novidade. É esse amor de Deus pelo seu povo que proporciona o rejuvenescimento do seu povo. 

É esta mensagem de esperança que o profeta sente-se obrigado a anunciar: “Por amor de Sião não me calarei, por amor de Jerusalém não terei repouso, enquanto a sua justiça não despontar como a aurora e a sua salvação não resplandecer como facho ardente”. É esta novidade do Amor fiel e rejuvenescedor de Deus que não devemos parar de anunciar. Na verdade, só este amor é que permite a verdadeira novidade, a verdadeira transformação, a criação de um mundo novo. 

Muitas vezes pensamos que Deus nos ama na medida em que somos bons e belos mas não é assim. Como nos recorda S. Bernardo, “Deus não nos ama porque somos bons e belos; Deus torna-nos bons e belos porque nos ama”. Só o Amor de Deus é a força eficaz de mudança. É o amor de Deus que de vidas sofridas pela infidelidade do pecado faz surgir existências novas, reconciliadas e reconciliadoras. Assim sendo, não podemos repousar enquanto não chegar a todos a alegre notícia do amor rejuvenescedor de Deus. Não podemos descansar enquanto não levarmos todos os homens a encontrarem-se com o amor, ressuscitado e ressuscitador, de Deus por todos e cada um.

O cumprimento da profecia da restauração da relação e consequente felicidade, anunciada por Isaías, cumpre-se em Jesus de Nazaré, como podemos constatar no evangelho deste dia.

A página evangélica que a liturgia hoje nos oferece é o episódio das bodas de Caná. Mais uma vez, estamos no âmbito de um casamento, deste símbolo privilegiado quer da relação de Deus com o seu povo (Antigo Testamento) quer de Cristo com a Igreja (Novo Testamento). Por isso, nestas bodas não falta o novo e definitivo esposo que é Cristo e a esposa que é a comunidade. Estamos assim no âmbito da aliança, melhor dizendo, da nova aliança.

O episódio das bodas de Caná é um episódio exclusivo do evangelista João e pertence à secção introdutória do seu evangelho onde se pretende apresentar a identidade e a missão de Jesus. Além disto, este episódio é designado de sinal, ou seja, a mudança da água em vinho no contexto de um casamento não é um simples milagre mas um sinal, uma acção simbólica que nos convida a ir além das aparências. Os sinais em São João não são simples milagres mas algo que desperta e conduz à fé em Jesus. Não uma fé como crença numa determinada verdade mas como relação com uma pessoa que nos oferece a salvação. 

Começa este episódio evangélico com uma situação negativa: a falta de vinho. O vinho é uma presença imprescindível num casamento e é o símbolo do amor, da alegria e da festa. Sabendo então que o casamento é o símbolo da relação, da aliança de Deus com o seu povo e que o vinho é o símbolo do amor entre Deus e o seu povo, podemos concluir que aquilo que o evangelista nos pretende indicar é que a antiga aliança é incapaz de oferecer a alegria da relação, do encontro amoroso entre Deus e o seu povo. Esta realidade também está indicada na referência às seis talhas de pedra destinadas à purificação que estavam vazias. Na verdade, o número 6 é o número da imperfeição, a pedra evoca-nos as tábuas da lei e o coração de pedra dos homens (Ez 36,26), a purificação evoca-nos os ritos e exigências da antiga aliança e o facto de estarem vazias atesta que os ritos da antiga aliança já não servem para aproximar o homem de Deus. 

Atenta a esta situação de indigência está a Mãe de Jesus. Maria é a crente que sabe estar atenta às necessidades dos seus filhos. Ela sabe descobrir as situações intoleráveis e intercede por elas a Jesus: “Não têm vinho”. 

Jesus parece dar-lhe uma resposta dura: “Mulher, que temos nós com isso? Ainda não chegou a minha hora”. O termo “mulher” é uma referência a Eva, mãe de todos os viventes. Ao tratar sua mãe por “mulher”, Jesus não lhe mostra desrespeito mas aponta para o novo povo que está a nascer e de que ela é mãe.

Maria nos dois textos joaninos em que intervém (bodas de Caná e crucifixão e morte de Jesus) aparece relacionada com a Hora de Jesus. A Hora de Jesus, segundo São João, é o seu Mistério Pascal. Fica assim claro que só a Hora de Jesus, só o seu Mistério Pascal é que inaugurará a nova e eterna aliança do homem com Deus: “Este é o cálice do meu sangue, o sangue da nova e eterna aliança que será derramado por vós e por todos para a remissão dos pecados”. É do costado aberto de Cristo na Cruz que brota o vinho da nova aliança. É da Páscoa do Senhor que nasce o novo Povo de Deus. 

De seguida, Maria dirige-se aos serventes, àqueles que estão dispostos a colaborar com Jesus: “Fazei o que ele vos disser”. Palavras que ainda hoje repete a todos aqueles a quem falta o vinho do amor, da alegria e da festa e que outra coisa não são que a síntese de toda a vida de Maria. É assim que ela se apresenta no momento da encarnação: “Eis a escrava do Senhor, faça-se em mim segundo a vossa palavra” (Lc 1, 38).

E é na medida que os homens seguem o conselho de Maria, ou seja, na medida em que ouvem a palavra de Jesus e a põem em prática, que surge o vinho novo da alegria, da relação com Deus. Fica claro que tudo isto é dom, mas que todos nós, como bons serventes, temos de colaborar pondo em prática o conselho de Maria: “Fazei o que ele vos disser”.

P. Nuno Ventura Martins

missionário passionista

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on print
Print
Share on email
Email

Leave a Comment