Ano C – Santíssimo Corpo e Sangue de Cristo

1ª Leitura: Gen 14, 18-20;
Salmo: Sl 109, 1. 2. 3. 4;
2ª Leitura: 1 Cor 11, 23-26;
Evangelho: Lc 9, 11b-17.

Celebramos hoje a solenidade do Santíssimo Corpo e Sangue de Cristo. Esta festa nasceu na Bélgica, em 1247, e foi estendida a toda a Igreja, pelo papa Urbano IV, em 1264, como resposta à heresia de Berengário de Tours que negava a transubstanciação, isto é, negava a “conversão de toda a substância do pão na substância do Corpo de Cristo e de toda a substância do vinho na substância do seu Sangue” que se realiza “na oração eucarística mediante a eficácia da palavra de Cristo e a acção do Espírito Santo” (compêndio do Catecismo da Igreja católica, 283), ou seja, negava a que Cristo está verdadeiramente presente na eucaristia sob a aparência de pão e vinho. 

Assim sendo, a festa de hoje é um convite a reflectirmos sobre a realidade da Eucaristia e sobre o lugar que ela ocupa na vida da Igreja. As leituras deste dia ajudam-nos nesta tarefa.

Um dos 4 relatos de instituição da eucaristia presentes no Novo Testamento é o de Paulo aos cristãos de Corinto que hoje nos é oferecido como segunda leitura. Este é a primeira narração escrita da instituição da eucaristia. O presente trecho da carta paulina ajuda-nos a compreender a fé católica que afirma que a Eucaristia é “o memorial da sua morte e ressurreição: sacramento de piedade, sinal de unidade, vínculo de caridade, banquete pascal em que se recebe Cristo, a alma se enche de graça e nos é concedido o penhor da glória futura” (Sacrosanctum Concilium, 47). 

A Eucaristia é um memorial, porque, sempre que a Igreja, fiel ao mandato do Senhor (“fazei isto em memória de mim”), celebra a eucaristia anuncia a morte do Senhor até que Ele venha. “Sempre que no altar e celebrado o sacrifício da Cruz, em que foi imolado Cristo, nossa Páscoa, realiza-se a obra da redenção” (Lumen Gentium, 3). O memorial é muito mais que uma simples evocação do que aconteceu no passado. Enquanto memorial, a eucaristia torna presente, de uma forma sacramental, o mistério pascal de Cristo. 

Além de memorial, a eucaristia é também o banquete em que se recebe Cristo, porque “Cristo está sempre presente … sobretudo sob as espécies eucarísticas.” (Sacrosanctum Concilium, 7). Acreditamos que Jesus está presente nas espécies do pão e do vinho de uma forma real não porque as outras formas de presença (Palavra de Deus, Igreja, ministros, sacramentos, pobres, …) não sejam reais mas porque a presença eucarística é-a por antonomásia. Na instituição da eucaristia, Jesus disse, como escutávamos na segunda leitura de hoje: “Isto é o meu corpo … este cálice é a nova aliança no meu sangue” e não isto simboliza o meu corpo e o meu sangue. Nas espécies eucarísticas Jesus esta verdadeiramente presente e isto deve levar-nos a um grande respeito e a uma maior intimidade com Ele. 

A comunhão do corpo e sangue de Cristo tem como efeito a intimidade a e a comunhão de vida com Jesus. Tal união com Cristo deve levar-nos a identificarmo-nos com Jesus e a comprometermo-nos com o seu projecto. Assim como quando comemos o pão material ele é assimilado e torna-se parte de nós, assim quando comungamos o corpo e o sangue de Cristo devemos ir-nos identificando com Jesus e com o seu projecto. 

No entanto, a eucaristia não é uma realidade que se reduza à nossa relação com Deus. A eucaristia também tem consequências na nossa relação com os irmãos: “ao participar realmente do corpo do Senhor, na fracção do pão eucarístico, somos elevados à comunhão com Ele e entre nós” (Lumen Gentium, 7). Ajuda-nos a compreender esta realidade quer o contexto em Paulo escreve a primeira carta aos coríntios quer o evangelho deste dia. 

Paulo vê-se na necessidade de resolver os problemas de divisão e de discriminações na comunidade de Corinto. Na verdade, quando os Coríntios se reuniam para celebrar a eucaristia cometiam alguns abusos. O primeiro desses abusos era as divisões que existem na comunidade (cf. 1 Cor 11, 18-19). O segundo abuso relacionava-se com a relação entre a refeição profana e a ceia do Senhor (cf. 1 Cor 11, 20-22). Na verdade, nestes tempos a eucaristia celebrava-se em casas particulares e costumava ser precedida por uma refeição em comum. O problema é que os mais ricos da comunidade traziam os seus alimentos e começavam a comer antes de chegarem os mais pobres e necessitados. Em vez de esperarem que a assembleia estivesse completa e que os alimentos trazidos por uns e por outros fossem distribuídos equitativamente, os mais ricos apressavam-se a comer a sua parte sem esperar a chegada dos mais pobres, que devido aos seus trabalhos e ocupações se atrasavam. E era assim, estando uns satisfeitos e muitas vezes bêbados e outros famintos, que os coríntios celebravam a eucaristia. No entanto, esta eucaristia não era sinal de comunhão, mas ocasião de descriminações na comunidade. Para resolver estes problemas, Paulo apela para a tradição da instituição da eucaristia que ele próprio recebeu, evocando o espírito com que Jesus institui a eucaristia. Jesus não procura o seu próprio interesse mas entrega-se à morte por nós. Assim sendo, devemo-nos examinar sobre a forma como celebramos a eucaristia. As nossas eucaristias são celebradas no espírito de Jesus que se entrega por nós à morte ou são celebradas no meio de divisões, descriminações e injustiças? 

Também o evangelho deste dia nos chama a atenção para o espírito de comunhão e partilha que deve reinar nas nossas eucaristias. No episódio evangélico de hoje, a versão de Lucas da multiplicação dos pães, chama-nos à atenção às diferentes atitudes que tem Jesus e os discípulos ante a multidão faminta. Os discípulos, dando-se conta que estavam no deserto e de que a hora ia avançada, pedem a Jesus que mande embora as pessoas. No entanto, Jesus, cheio da compaixão que se traduz no anúncio do reino e na cura dos doentes, ordena aos discípulos “dai-lhes vós mesmos de comer”. Também a nós, que vivemos neste mundo em que a fome quer de pão quer de razões de vida fustiga tantos irmãos nossos, se dirige esta interpelação de Jesus: não ignoreis a indigência dos irmãos mas oferecei e partilhai alimentos e razões de vida. Como os discípulos, também nós nos devemos estar a perguntar como será isso possível uma vez que só temos “cinco pães e dois peixes”, uma vez que são tão exíguos os nossos recursos?

O milagre da multiplicação dos pães é uma boa lição, em três momentos, de como podemos responder a este desafio de Jesus. A primeira lição que Jesus nos oferece é que todos nós temos responsabilidade diante da fome do mundo. A comunidade cristã não se pode limitar a constatar a realidade da fome do mundo. A comunidade cristã, a exemplo do coração compassivo de Jesus, não pode ficar indiferente diante do sofrimento do mundo. A segunda lição de Jesus neste milagre ensina-nos a dar resposta ao desafio que se nos apresenta. Ante a fome deste mundo temos de aprender a partilhar tudo o que somos e temos. É isto que se quer simbolizar com os cinco pães e dois peixes. São sete os elementos que se partilham, e sete é o número da totalidade. Devemos aprender a partilhar tudo o que temos e somos. Só a partilha é que é capaz de resolver a fome do mundo. A terceira lição de Jesus refere-se ao motivo da partilha. Devemos partilhar o que temos e somos porque aquilo que possuímos é um dom de Deus. É por isso que Jesus erguendo os olhos ao céu pronuncia a bênção, recita aquela oração onde se dá graças a Deus pelos bens recebidos e onde se reconhece que aquilo que possuímos é dom de Deus. E se é dom de Deus é para ser partilhado. Nos não somos donos mas administradores dos dons de Deus. Em tempos de crise económica e de valores temos de reavivar o ensinamento evangélico que o Vaticano II nos transmitiu: “quem usa desses bens, não deve considerar as coisas exteriores que legitimamente possui só como próprias, mas também como comuns, no sentido de que possam beneficiar não só a si mas também aos outros” (Gaudium et Spes, 69). 

E é assim que a comunidade partilhando tudo aquilo que tem e através da bênção de Deus que nos leva a reconhecer que os alimentos são dom de Deus para todos e não posse exclusiva de alguns que a fome daquela multidão é saciada. E não só é saciada a fome da multidão como as sobras ainda enchem 12 cestos. Doze eram as tribos do povo de Deus, a totalidade do Povo de Deus. Dizer que as sobras encheram 12 cestos quer dizer que quando a comunidade for capaz de partilhar a totalidade do que tem e é o problema da fome do mundo terminará. 

Que a celebração da eucaristia, mesa comum que Deus prepara para todos os seus filhos e a todos oferece o pão da vida, nos ensine o valor da partilha. Na verdade, outra coisa não é o convite de Jesus, “dai-lhes vós de comer” do que a eucaristia continuada no mundo.

P. Nuno Ventura Martins

missionário passionista

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on print
Print
Share on email
Email

Leave a Comment