Ano C – XIII Domingo do Tempo Comum

1ª Leitura: 1 Reis 19, 16b. 19-21;
Salmo: Sl15 (16), 1-2a e 5. 7-8. 9-10. 11;
2ª Leitura: Gal 5, 1. 13-18;
Evangelho: Lc 9, 51-62.

O evangelho deste domingo é um texto importante no evangelho de Lucas. Na verdade, começa, com os seguintes versículos deste texto, a segunda parte do Evangelho de Lucas: “aproximando-se os dias de Jesus ser levado deste mundo, Ele tomou a decisão de Se dirigir a Jerusalém e mandou mensageiros à sua frente ”. O texto grego destes versículos é mais interpelante que a sua tradução litúrgica. Na verdade, no texto grego lemos que “ao cumprirem-se os dias da Sua ascensão endureceu o semblante (to prósopon estérisen)”. O cardeal e biblista Martini, referindo-se a este verbo, afirmou o seguinte: “o verbo estérisen (tornou forte, estabeleceu irrevogavelmente) indica a direcção precisa do Seu caminho e, portanto, a transição a uma fase mais radical do seu propósito. Até esse momento tinha-se manifestado como um homem cheio de fascínio, capaz de pronunciar palavras encantadoras de bondade, de misericórdia, de humildade e de cura. Agora endurece o rosto para explicar aos discípulos que, se continuarem decididos a segui-lo, atraídos pela sua personalidade, têm de conhecer as condições deste seguimento radical” (Martini). 

Assim sendo, podemos concluir que o evangelho deste domingo é um texto importante do evangelho de Lucas pois inicia o caminho de Jesus para Jerusalém, para o Gólgota. No entanto, este caminho não é um simples e mero caminho geográfico. Este caminho é acima de tudo um caminho teológico e espiritual que visa ensinar aos discípulos os caminhos do reino e revelar-lhes o verdadeiro rosto de Deus. O caminho que Jesus inicia neste momento é o caminho da cruz, o caminho que o conduz até ao monte calvário. Ao percorrer este caminho de cruz Jesus exorta os seus discípulos a seguirem pelo mesmo caminho. 
Prova deste itinerário espiritual que Jesus convida os seus discípulos a fazerem enquanto caminham para Jerusalém são os restantes versículos do evangelho deste domingo que nos revelam quatro exigências de Jesus àqueles que o pretendem seguir. 

A primeira exigência de Jesus é a de recusarem a intolerância e a violência. Na verdade, ante a recusa dos samaritanos em receber Jesus, Tiago e João afirmam: “Senhor, queres que mandemos descer fogo do céu que os destrua?”, ou seja, Tiago e João querem responder à rejeição e hostilidade dos samaritanos com um castigo violento.  Ante a proposta de Tiago e João, Jesus repreende-os. Na verdade, o caminho de Jesus é o caminho da cruz, do amor, da vida que se entrega e não da violência. Assim sendo, ao ódio do mundo Jesus e os seus discípulos não podem responder com mais ódio e violência mas com o dom da vida. Ainda hoje em alguns ambientes cristãos parece que se defende acerrimamente o castigo divino para aqueles que se recusam a aderir a Jesus. No entanto, tal atitude está nas antípodas do comportamento de Jesus. Mais que querer o castigo daqueles que se recusam a acreditar e rejeitam Jesus devemos continuar a esforçarmo-nos e a gastar as nossas existências para que também eles adiram ao reino. 

As seguintes três exigências que Jesus faz àqueles que o querem seguir, pelo caminho que ele próprio está a seguir, depreendem-se dos diálogos que Jesus mantem com três os candidatos a seus discípulos.

O primeiro desses diálogos é iniciado por alguém que se coloca na disponibilidade de seguir Jesus: “seguir-Te-ei para onde quer que fores”. No entanto, Jesus, diante de tão boa vontade adverte: “as raposas têm as suas tocas e as aves do céu os seus ninhos; mas o Filho do homem não tem onde reclinar a cabeça”. Com efeito, para seguir o Senhor Jesus não basta a boa intenção mas é necessário saber despojar-se das preocupações materiais e sair da toca e do ninho. “A toca e o ninho são entendidos como a vontade de permanecer no seio materno e em tudo o que ele representa […] O homem tem dificuldade em aceitar sair do útero, traumatiza-se e, consequentemente, permanece sempre tentado a fazer outro ninho, outro ambiente protegido […] Esta atitude está hoje particularmente difundida: os adolescentes e os jovens, apesar da crise da família, não se aventuram a desprender-se dela nem se decidirem por opções definitivas […] Queríamos seguir Jesus para onde Ele nos quisesse levar, mas, de facto, mantivemo-nos agarrados aos projectos ideais que nós próprios fabricamos” (Martini). Seguir Jesus exige que saibamos renunciar às nossas seguranças, exige que arrisquemos e nos lancemos para diante. Se um pássaro estiver preso ao seu ninho jamais aprenderá a voar. Quanta infelicidade hoje em dia porque não sabemos cortar amarras. 

O segundo diálogo é uma interpelação de Jesus a um outro: “segue-Me”. Ante a interpelação de Jesus, o indivíduo limita-se a pedir que o deixe ir sepultar o seu pai. No entanto, Jesus responde: “deixa que os mortos sepultem os seus mortos; tu, vai anunciar o reino de Deus”. Jesus exige àqueles que o querem seguir que renunciem aos deveres e obrigações que impedem um seguimento imediato e radical. “Quando o mos [costume] ancestral, isto é, os idola tribus [os ídolos da tribo] se tornam pretexto contra a novidade do Reino, tornam-se destruidores. O bom senso comum não é suficiente para seguir verdadeiramente Jesus. […] ‘Deixa que os mortos enterrem os seus mortos’, porque se não deixares o teu pai, não te tornarás adulto, não chegarás a ser homem livre. Se permaneceres ligado às tradições familiares, utilizando-as como escudo face à radicalidade da fé, caminharás em direcção à morte, permanecerás escravo, deixarás secar as raízes da planta do seguimento” (Martini).

O terceiro e último diálogo de Jesus com um outro que se colocou na disponibilidade de segui-lo só com a condição de se ir despedir da sua família revelam a quarta exigência de Jesus aos seus seguidores: “quem tiver lançado as mãos ao arado e olhar para trás não serve para o reino de Deus”. Diante da importância do seguimento, Jesus convida a renunciar à família. “Neste símbolo [da família] podemos ler o culto ao próprio tecido histórico pessoal: amizades, vivências e acontecimentos. É um culto que cresce com os anos […] Uma fé não suficientemente enraizada acolhe o Evangelho como uma coisa sobreposta, acrescentada, como uma realidade capaz de embelezar e de enobrecer a história pessoal; não consegue descer até ao fundo das águas baptismais, não quer tomar consciência de que a história do homem está ligada a estruturas de pecado, ao passo que Deus tenta realizar coisas novas sobre a terra. Portanto, a referência à história pode ser justa, conforme o senso comum, mas é destruidora se se realizar contra o chamamento evangélico. Se olhares para trás depois de teres lançado mão ao arado, se ao volante do teu carro voltares a olhar para a casa que deixaste, quer dizer que o teu coração não foi conquistado pelo Senhor Jesus, que não é movido unicamente pelo desejo de o seguir” (Martini). Quando nos colocamos na disponibilidade de seguir Jesus devemos renunciar a tudo, até à nossa família e à nossa própria história.

Concluímos então do evangelho deste domingo que para seguir bem o Senhor Jesus temos de ser pessoas verdadeiramente livres, livres de nós mesmos. Esta liberdade, como nos dizia o Apóstolo Paulo, na segunda leitura, é um dom de Cristo. É o próprio Cristo que, através do Seu Espírito, nos ajuda a libertamo-nos daquilo que nos impede de o seguir. É a vida nova que recebemos de Cristo que nos ajuda a libertar da pior escravidão que é a escravidão de nós próprios. Ser livre não é fazer o que nos apetece. A verdadeira liberdade é a do amor que sabe renunciar a si próprio e servir os outros: “não abuseis da liberdade como pretexto para viverdes segundo a carne; mas, pela caridade, colocai-vos ao serviço uns dos outros”. E não nos esqueçamos que a liberdade é um dom precioso mas frágil. Assim sendo, devemos esforçarmo-nos para não nos tornarmos escravos dos desejos da carne que sempre nos assaltam e nos querem aprisionar. 

Que a celebração deste Domingo a todos nos ajude a seguir em liberdade o Senhor Jesus no seu caminho de Ascensão em direcção a Jerusalém.

P. Nuno Ventura Martins

missionário passionista

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on print
Print
Share on email
Email

Comments

  1. Saudações Cristãs! muito obrigado pela partilha senhor Padre. estas homilias têm nos ajudado muito cá na comunidade São Miguel Arcanjo, em Moçambique.
    Khanimambu.

Leave a Comment