Mensagem de Natal Superior Provincial

“Havia naquela região uns pastores que viviam nos campos e guardavam de noite os rebanhos. O anjo do Senhor aproximou-se deles e a glória do Senhor cercou-os de luz…, disse-lhes o anjo: Não temais porque vos anuncio uma grande alegria, que o será para todo o povo: Nasceu-vos hoje, na cidade de David, um Salvador, que é Cristo o Senhor. Isto vos servirá de sinal: encontrareis um Menino recém-nascido, envolto em panos e deitado numa manjedoura” (Lc 2, 8-12).

É assim o nosso Deus, o mais pequenino de todos, o mais pobre de todos, o mais indefeso. A única visita àquele Menino, “envolto em panos e deitado numa manjedoura” só podia ser de pobres pastores, como nos relata S. Lucas. Um grupo de pastores, cheirando a suor e a lã, mas com um coração cheio de ternura e que mesmo durante a noite são capazes de ver o Deus Encarnado naquele Menino: “deitado na manjedoura”. Só eles seriam capazes de se deslocar “apressadamente”, para ver e adorar aquele Menino como nos diz S. Lucas. São assim os simples, os humildes, os pobres, como Maria, José e os pastores: “Os pastores dirigiram-se apressadamente para Belém e encontraram Maria, José e o Menino deitado na manjedoura” (Lc. 2, 16). Deus recomeçou a partir deles, dos mais pequenos, dos mais pobres. Adoram-no, como só os pobres sabem e podem adorar as coisas simples e pequenas. Aqueles olhinhos são os olhos de Deus, as suas mãozinhas que se estendem, são as mãozinhas de Deus que se estendem para eles. É à volta daquele berço tão pobre, duma “manjedoura”, que o mundo novo recomeça. Tudo muda com este Menino que nasceu para nós.

Deus entra no mundo a partir do ponto mais baixo para que mais ninguém fique abaixo Dele, ninguém deixe de ser alcançado pelo seu braço. Que eu me deixe tocar por Ele!

“Maria é aquela que sabe transformar um curral de animais na casa de JESUS, com uns pobres paninhos e uma montanha de ternura” (Papa Francisco).

O Natal convida-nos também a fazermos do nosso coração a casa de Jesus sabendo acolher e semear, a mãos cheias, essa ternura de Deus, semear ternura, estender os braços para abraçar o irmão, seja ele quem for, sem vaidades, nem grandezas, com a simplicidade deste Menino que nasceu para nós.

Um Santo e feliz Natal para cada um dos Religiosos, para os seus pais e familiares e para toda a Família Passionista.

Santa Maria da Feira, 23 de Dezembro de 2014
P. Laureano Alves Pereira
Superior Provincial

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *