“Que o teu rosto seja solidário!”

Todos podemos contribuir para um mundo melhor. Sempre com atitudes “cristãs e que comecem pela nossa casa, pela nossa rua, freguesia, ou concelho. A verdadeira mudança começa nos outros. Assume-te como rosto solidário”, convida Paulo Costa.

Sexta-feira ao final da tarde, no Seminário Passionista, na cidade da Feira. “Caldo Verde, tiras de barriga e bolos caseiros” assumem-se como ementa para o Arraial Solidário. As II Jornadas Solidárias arrancam com a exibição de um filme que mostra a experiência de angolanos em Luanda. Dinâmicas sociais complexas são exibidas, a partir de uma cidade com 4 milhões de pessoas.

Sábado, percebemos que um outro mundo é possível, garante o padre Jesus Maria Aristin, missionário passionista espanhol, com experiência em missões na América Latina é África. “A Rosto Solidário dá o exemplo na Feira. Vira-se para o outro, porque se ajudarmos o próximo sentimo-nos bem por dentro. A esperança é fundamental, para que as pessoas percebam que não é o material que nos preenche”, refere.

Defende um consumo “mais responsável. Comprem o que é do vosso país, porque assim estão a ajudar o vosso vizinho. Tantas vezes, compramos mais barato, mas esquecemos que esse produto advém da escravatura do ser humano, que quase não ganha para trabalhar. Não vamos mudar o mundo, mas com os nossos gestos podemos, sem dúvida torná-lo bem melhor. As nossas atitudes, quando vêm do coração, tocam os outros e cria-se um efeito de bola de neve”, explica.

Depois de elogiar o trabalho de centenas de voluntários da Rosto Solidário, o referido missionário deseja que mais feirenses “se juntem neste desafio de todos os dias, porque há muitas desigualdades e muitas famílias em dificuldade. Todos são poucos para ajudar”.

Inovador na região é o Mercado Solidário, uma experiência, cúmplice, de troca de serviços, ou produtos, através do “nosso quintal”. A solidariedade mostra-se “sem darmos dinheiro a quem precisa. Trago a minha companhia, a minha disponibilidade para ouvir o outro. Trago um bolo e troco por Artesanato. Crucial é o convívio”, constata Clara Campos.

A cozinha do futuro não deixa de surpreender. Através de um forno solar, foi feita “uma sopa deliciosa de cenoura e de feijão verde”, que foi muito procurada na cidade da Feira. Que as pessoas “não se limitem a um olhar egocêntrico. Venha aos Passionistas e torne-se um Rosto Solidário”, convida.

Um dia de cada vez, com a certeza que esta iniciativa terá “continuidade. Desejamos que mais pessoas se juntem a nós e percebam que o voluntariado proporciona momentos únicos”, acrescenta Paulo Costa.

Tertúlia, Tai-Chi e Escrita Criativa tiveram, também, o seu espaço nas II Jornadas Solidárias, com organização da ONGD Rosto Solidário, com apoio dos Missionários Passionistas.

In Jornal Correio da Feira, Edição 5684 de 27/Set/2010

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *