As Palavras do Jubileu: GRATIDÃO

A primeira das três palavras do nosso logotipo jubilar leva-nos directamente ao coração do nosso carisma  de Passionistas, cujo conteúdo definimos numa sintética expressão “Memoria Passionis”(latim) que significa “Memória da Paixão de Cristo”.

Definimos voluntariamente o conteúdo deste carisma com a expressão “Memoria Passionis” porque Memória e Paixão estão ligadas uma à outra por uma relação profunda. O bispo francês Jean-Baptiste Massillon, um contemporâneo do nosso fundador, formulou este pensamento: “A gratidão é a memória do coração”.

Até S. Paulo da Cruz falou do nosso  voto específico como a “grata memória da paixão e morte de Jesus Cristo nosso Senhor“. A gratidão deriva da memória do amor crucificado do nosso Redentor, graças ao qual nos foi dada a salvação.

Numa oração da tradição da Sexta-feira recitamos: “Agradeço-te, Senhor Jesus Cristo, por teres morrido por mim: não deixes que o teu sangue e as tristezas que sofreste por mim se percam. Uma memória grata da Paixão de Cristo é o coração do nosso carisma, através do qual encontramos o nosso lugar na Igreja.
“Que a Paixão de Nosso Senhor Jesus Cristo esteja sempre no nosso coração!” Esta saudação da nossa Congregação, que vem do próprio S. Paulo da Cruz, contém também a atitude de gratidão. A gratidão deve estar sempre, por assim dizer, escrita no coração dos Passionistas.

* Coração e cruz, unidos com o santo nome de Jesus, formam a base do símbolo que nós passionistas usamos no nosso hábito. É, de certa forma, uma “marca registada” através da qual um Passionista pode ser reconhecido exteriormente.

*Este sinal (emblema passionista) no nosso peito é um apelo contínuo a interiorizar o Mistério da Paixão e Morte de nosso Senhor Jesus Cristo e, através desta memória do coração, a fazer crescer em nós uma profunda gratidão.

*O reconhecimento cheio de gratidão do amor salvífico de Cristo na sua paixão pela Redenção do mundo impele-nos definitivamente a proclamar o Evangelho da Paixão como uma mensagem alegre e como um convite à gratidão.

*Depois de tudo o que dissemos até agora, é evidente que a vocação passionista envolve sempre um chamamento à gratidão.

*No fundo de cada ser humano, é fundamental conceber toda a sua existência como “gratuitidade”. Nada é certo. Nunca devemos deixar de ficar surpreendidos e gratos pelos muitos grandes e pequenos milagres de Deus na nossa vida quotidiana.

*Ao celebrar o 300º aniversário da fundação da  Congregação, é importante agradecer ao Senhor o carisma de S. Paulo da Cruz, a nossa vocação pessoal como Religiosos Passionistas e  todo o bem que os nossos irmãos conseguiram realizar no mundo. Regozijamo-nos com esta rica colheita, da qual os nossos muitos santos e abençoados já dão testemunho.

 

*Queremos olhar com gratidão também para o futuro. Ao mesmo tempo, é necessário ser realista e consciente dos problemas da Igreja e do mundo. Graças à fé, sabemos que Deus quer o bem para nós e que Ele nos prepara para acolher esse bem, desde que sigamos a Sua vontade. Por esta razão, olhamos para o futuro com uma confiança cheia de gratidão, porque como dizia o apóstolo S. Paulo, “sabemos em quem acreditamos”.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on print
Print
Share on email
Email

Deixe um comentário