Chamamento à santidade. Santos, Beatos e Veneráveis Passionistas

Nos seus 300 anos de vida, a Família Passionista viu reconhecida pela Igreja a santidade de vários irmãos e irmãs que seguiram os passos e ensinamentos de S. Paulo da Cruz. Temos actualmente 7 Santos, 34 Beatos e 24 Veneráveis: figuras e histórias de santidade únicas e irrepetíveis, diferentes no seu contexto e experiências, homens e mulheres, religiosos e leigos, todos derivados do mistério da Paixão de Jesus, para viver, amar e proclamar ao mundo.

Neste ano em que recordamos os inícios do carisma de São Paulo da Cruz, não podemos deixar de destacar a figura do seu irmão, o Venerável João Baptista de São Miguel Arcanjo (1695-1765), a sua verdadeira “sombra”, que partilhou com ele grande parte do caminho espiritual e missionário, oferecendo-lhe a sua oração contínua, o seu ardor apostólico, a sua lúcida e paciente partilha e correcção fraterna.

Interpretando a galeria de santidade passionista*  que emerge da experiência espiritual dos irmãos Danei, oferecemos uma rápida descrição das diferentes figuras, permitindo ao leitor descobrir a sua riqueza humana e espiritual.

Identificamos um primeiro grupo de “Passionistas maduros”, que ao longo destes 300 anos ofereceram as suas vidas ao serviço da Igreja e da Congregação:

– Os bispos, S. Vicente Maria Strambi (1745-1824) e o Beato Eugénio Bosilkov (1900-1952), viveram em tempos muito diferentes, serviram o seu rebanho e defenderam a unidade da Igreja sob o único pastor que é o Papa, o primeiro pagando com exílio, sob Napoleão, e o segundo com a sua vida, sob o regime comunista búlgaro.

– O Beato Lorenzo Salvi (1782-1856) e o Beato Domingos Barberi (1792-1849) viveram durante o período da supressão napoleónica e foram, o primeiro missionário e pregador – famoso pela propagação da devoção ao Menino Jesus – e o segundo formador, professor, superior provincial e finalmente fundador da missão passionista em Inglaterra.

– O Venerável Inácio de S. Paulo (1799-1864), nascido George Spencer, de aristocracia inglesa, era um sacerdote da Igreja Anglicana, convertido ao catolicismo e foi ordenado sacerdote; com a chegada em Inglaterra do Beato Domingos, juntou-se aos Passionistas e dedicou-se à pregação e à acção caritativa em favor dos pobres e marginalizados.

– Outros dois que viveram ao mesmo tempo são o Beato Bernardo Maria Silvestrelli (1831-1911), que foi Superior Geral durante quase trinta anos e promoveu a expansão da Congregação, e São Carlos Houben (1821-1893), natural dos Países Baixos, que foi missionário, primeiro em Inglaterra e depois na Irlanda.

– Outros religiosos tornaram-se famosos pelo seu serviço como formadores e guias espirituais:o Venerável Norberto Cassinelli (1829-1911), director de São Gabriel della Dolorosa, e Venerável Germano Ruoppolo (1850-1909), director espiritual de Santa Gemma gani, Venerável Nazareno Santolini (1859-1930), mestre de noviços há quase trinta anos, e Venerável Generoso Fontanarosa (1881-1966) que iniciou a fundação na Sicília e foi director espiritual da Venerável Lúcia Mangano.

– Outros religiosos viveram entre os séculos XIX e XX: Venerável Fortunato De Gruttis (1826-1905), missionário, exorcista e confessor; Venerável Giuseppe Pesci (1853-1929), professor, mestre de noviços e superior provincial; Venerável Egidio Malacarne (1877-1953), missionário, professor e, durante trinta anos, Postulador Geral da Congregação que promoveu as causas de São Vicente Mª Strambi e Santa Gemma; Venerável Francisco Gondra Muruaga (1910-1974), mais conhecido como Aita Patxi, Passionista Basco, que esteve envolvido na Guerra Civil Espanhola: detido e deportado, evangelizador entre os presos, ofereceu-se como substituto de outros condenados à morte e que, uma vez de regresso ao convento, se dedicou a ajudar aqueles que mais sofreram, os abandonados.

A este grupo devemos acrescentar os religiosos “Mártires” dos anos 30 em Espanha: em 1934, Santo Inocêncio Canoura (1887-1934) foi preso e martirizado juntamente com a comunidade dos Irmãos das Escolas Cristãs, onde exercia o seu ministério e, em 1936, o Beato Nicéforo Diez Tejerina (1893-1936) e os seus 25 companheiros, Mártires Passionistas de Daimiel, na sua maioria jovens estudantes. O Beato Nicéforo, Superior Provincial, preparou-os para viver aquele momento sombrio e tremendo como “Cidadãos do Calvário”.

Também encontramos “Religiosos Irmãos“, começando pelo Venerável Tiago Gianiel (1714-1750), um dos primeiros companheiros de São Paulo da Cruz, que professou como Irmão em 1743 e viveu durante 7 anos ao serviço da comunidade; o Beato Isidore de Loor, que viveu na Bélgica (1881-1916), um exemplo de obediência, dedicação à comunidade e fé no meio da doença; o Venerável Lorenzo do Espírito Santo (1874-1953), que trabalhou na Itália e no Brasil, conhecido pelo seu serviço como almoneiro evangelizador; Venerável Lorenzo del Espiritu Santo (1874-1953) que trabalhou em Itália e no Brasil, conhecido pelo seu serviço como amendoeiro evangelizador; Venerável Gerardo Sagarduy, de origem basca, que viveu 60 anos na Casa Geral e ganhou fama como “porteiro santo” (1881-1962).

Por outro lado, encontramos o grupo dos ” santos jovens ” que são talvez os mais conhecidos e mais venerados. Passionistas que morreram prematuramente, mas na plenitude da sua realização. Entre eles, o mais conhecido, São Gabriel della Dolorosa (1838-1862), modelo de santidade para outros jovens Passionistas, como o Beato Pio Campidelli (1868-1889), o Beato Grimoaldo Santamaria (1883-1902) e o Venerável Galileu Nicolini (1882-1897), um jovem noviço que morreu com a idade de 15 anos. Incluimos neste grupo o Venerável Giovanni Bruni (1882-1905) que se tornou padre mas morreu pouco depois, aos 23 anos de idade, deixando atrás de si um rasto de santidade.

As Irmãs Passionistas de São Paulo da Cruz, fundadas pela Serva de Deus Madalena Frescobaldi em 1815, são representadas pela Venerável Antonieta Farani (1906-1963), italiana por origem e brasileira por adopção, que viveu o seu apostolado entre os últimos e os crucificados do seu tempo.

Finalmente, várias mulheres leigas encontraram no carisma passionista um caminho para a santidade: a primeira no tempo a Venerável Lúcia Burlini (1710-1789), filha espiritual de São Paulo da Cruz e benfeitora da Congregação, seguida pela muito mais conhecida e venerada Santa Gemma Galgani (1878-1903), tão pobre e abandonada na vida como rica e amada pelos seus dons e virtudes místicas. À sua experiência podemos acrescentar a figura da Beata Edvige Carboni (1880-1952), uma Passionista por adopção, que, após uma vida de serviço à sua família e aos pobres, recebeu dons místicos extraordinários. Finalmente, a todos eles podemos acrescentar a jovem mártir Santa Maria Goretti (1890-1902), filha de uma família pobre, num contexto social de exploração, onde os Passionistas tentaram trazer uma palavra de consolo e esperança, vítima da violência cega que ela transformou na flor do perdão.

Que o testemunho destes Santos, Beatos e Veneráveis Passionistas, juntamente com muitas outras figuras exemplares da vida passionista, renovem em cada um de nós a fidelidade e a paixão pela nossa vocação carismática.

Giuseppe Adobati.

 

* Na revista Sapienza della Croce de 2005/3 há um artigo de Eric W. Steinhauer, intitulado “Escola de Santidade” – Beatos e Santos da Congregação Passionista, com uma reflexão, não muito actual mas significativa, sobre “os numerosos Passionistas que foram declarados santos, abençoados ou venerados… cujo número considerável indica a elevada estima em que o caminho para a santidade tem sido feito na Congregação”. Pode descarregar este artigo na sua versão digital neste link:  http://lasapienzadellacroce.mapraes.org/archivio/la-sapienza-della-croce-20053

 

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on print
Print
Share on email
Email

Deixe um comentário